#WELCOME

17/09/2014 § Leave a comment

#Screenplays: “A viagem”

10/08/2014 § Leave a comment

Compreender a vida como uma viagem é um modo descontraído de se viver. Pois, em todas as viagens podem surgir novos destinos além do inicialmente traçado, se pensar-se no fim da viagem estraga-se a estadia, se não se aproveitar, descobrir e conhecer aquilo que se apresenta no trajecto também não vale de muito viajar. Quantos de nós não compramos passagens em busca de novas sensações, ansiosos pelos momentos que se poderão seguir, visto que não se conhece o destino, mesmo que se tenha um mapa traçado à partida. Assim, tal como na vida, alguns do momentos que se perspectivam podem corresponder às expectativas, outros podem até exceder e tantos outros não são nada daquilo que se esperava. Todavia a viagem não deixa de ser entusiasmante se o turista quiser sempre usufruir tudo aquilo que não conhece.

 

#Quick View (clic)

19/05/2014 § Leave a comment

Contact (password info.) marco.andre.f.pereira@gmail.com

• Business introduction
• Art portfólio
 

#thoughts: “Vitalidade”

06/05/2014 § Leave a comment

A vitalidade é a característica que mais deve ser construída e procurada durante todo o complexo processo de viver. É através desta que todas as partes da vida se constroem e ganham especial significado, desde o amor até aos sucessos e sonhos retidos no peito. As histórias e as oportunidades surgem ou criam-se através desta, pela força aplicada na busca e na compreensão de todos os momentos, na aceitação das derrotas e na comemoração das vitórias do dia-a-dia. Para muitos a análise sobre a vida depende dos sorrisos e/ou das lágrimas realçadas no rosto, porém até para se sentir as emoções é necessário vitalidade – como construir a vitalidade?

tostão furado DOC, “REviravolta” (2013/14)

03/03/2014 § Leave a comment

> As mudanças de paradigmas a que Portugal se tem adaptado para equilibrar a sua economia, revertem-se num empobrecimento da classe produtiva. Como consequência, relativamente a situações mais fragilizadas, estas alterações, mesmo que estreitamente necessárias para a estabilidade do país, têm tendência para reverter-se numa nova realidade dentro dos parâmetros da marginalização. Numa sociedade em que a economia rege a maioria das suas relações sociais, a prevenção deste estado é essencial para a garantir a segurança pública e uma maior produtividade económica visto que, por exemplo, no caso de um sem-abrigo a sua condição é dificilmente reversível. Porém, todo o ser humano tem o direito à vida e tem que beneficiar das condições mínimas de sobrevivência. O que representa para o estado um investimento sem retorno. O investimento deveria prestar-se no início da estruturação da vida (Educação) e não numa última etapa onde não existem as condições necessárias nem a força da juventude para uma reviravolta.

#Screenplays: “A analogia entre o filme e a vida”

26/02/2014 § Leave a comment

A vida tem muitas semelhanças com os filmes, não fossem os filmes retratos de vidas ficcionais ou verídicas. Todavia, são mais as diferenças que as semelhanças partindo do ponto de que num filme podem repetir-se acções, na vida a maioria das acções tem um timming certo para acontecer, as ditas oportunidades apesar de em alguns filmes o timming também ser crucial para as melhores imagens. Nos filmes o enredo é escolhido a dedo formando-se uma família de produção, na vida quem nasce não sabe onde vai viver, assim como, quem dá à luz não sabe quem vai nascer, independentemente, de saber o sexo.

Spot #201 – “A Hipocondriaca”

22/02/2014 § Leave a comment